Entrevista com o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias – Abrainc, Luiz França

Em entrevista exclusiva para o Corporate Habitação, o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias – Abrainc, Luiz França, comentou sobre as medidas adotadas pelos canteiros de obras para proteger os funcionários diante da pandemia, a importância do crédito imobiliário para o crescimento do setor, como a LGPD vem afetando o mercado da construção civil, além do papel do setor na recuperação econômica do País pós-pandemia. Confira a entrevista!

1) Como as incorporadoras se adequaram para proteger os funcionários diante da pandemia, principalmente nos canteiros de obras?

Foram implementados rigorosos protocolos sanitários nos canteiros de obras e, com isso, o setor conseguiu manter suas operações em andamento, sem atrasos nas entregas. Os colaboradores receberam kits de higiene diariamente, inclusive para o retorno ao lar, e foram orientados a evitar aglomeração em refeitórios e outros ambientes comuns. Importante ressaltar que também tivemos turnos diferentes de almoço e de entrada/saída para evitar a contaminação. Em relação aos estandes, também foram implementados os protocolos de segurança, que previam distância entre as mesas, oferecimento de álcool em gel, jornadas mais curtas e estabelecimento de limite máximo de ocupação de espaços.

2) A pandemia da Covid-19 elevou o preço dos insumos da construção civil. De acordo com o INCC, temos um acumulado de 17% nos últimos 12 meses. Como as construtoras podem se proteger neste momento? O crédito imobiliário é uma opção interessante?

Novas medidas anunciadas pela Caixa na última semana vão ajudar nesta questão. O aumento do teto do programa Casa Verde e Amarela, por exemplo, que estava sem reajuste desde 2017, vai viabilizar um grande número de projetos que não estavam mais podendo ser enquadrados no programa devido ao forte aumento nos custos que vem ocorrendo nos últimos 12 meses. O crédito imobiliário é um importantíssimo instrumento para que o setor continue crescendo e atendendo um número cada vez maior de famílias.

3) Como você avalia o papel do setor imobiliário na recuperação da economia brasileira pós-Covid?

Um dos maiores êxitos do setor imobiliário na recuperação da economia brasileira é a geração de emprego e renda no País. Os resultados mostraram o mérito do setor: o nível de empregos na área subiu e hoje soma 7% do total, o que representa 5,9 milhões de brasileiros, segundo dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio), um contingente expressivo de trabalhadores fazendo habitação, uma ação de impacto social importantíssima para a sociedade. O PIB da Construção Civil, que subiu 2,7% no segundo trimestre deste ano e puxou a elevação do PIB nacional, o que reforça a importância do setor para a economia brasileira. A construção também gera 9% de todos os tributos do Brasil.

4) A partir de agosto, as multas referentes à LGDP começaram a ser aplicadas no Brasil. Como a nova Lei afeta o mercado da construção civil?

As empresas do setor estão conscientes de que a LGPD é algo importante e que veio para ficar. Por isso, existe um esforço para adequação à Lei. A cultura está sendo disseminada dentro das empresas e processos foram mapeados, com todos os cuidados possíveis em relação ao armazenamento e transferência de dados.