Corporate Habitação

Entrevista com Mariana Bruno, gerente de Consumer Lines e E&O da Argo Seguros

Conversamos com Mariana Bruno sobre a visão da Argo Seguros em relação aos principais desafios e tendências do setor de construção civil. Confira abaixo suas respostas!

  1. Sabemos que alguns seguros são obrigatórios quando se vai construir um empreendimento, da mesma forma que temos alguns que são opcionais, mas que são importantes para deixar os empresários mais seguros nas decisões diárias. Na sua opinião, qual a importância de se fazer essa combinação de produtos no setor da construção civil e por quê? 

    Quando falamos de construção civil, projetos ou até mesmo supervisão de obra é sempre muito importante pensar nas modalidades de seguro que devemos contratar. Os tipos de seguros são complementares, um irá cobrir o dano causado nos arredores da obra, outra irá cobrir morte de funcionários e o de responsabilidade civil profissional irá cobrir a falha profissional que tenha causado um prejuízo ao terceiro. Acredito que todos têm seu espaço e sua importância. Quando falamos do RC Profissional, estamos cobrindo erros em decorrência da atividade, custos advocatício, danos morais, lucros cessantes, danos à imagem da empresa ou profissional autônomo, sendo assim, o importante é sempre pensar na exposição que você como segurado pode ter.
  2. O que as empresas de construção e as seguradoras precisam levar em consideração para ofertar um seguro aderente às necessidades dos clientes, mas sem onerar a apólice?

    Importante sempre identificar qual é o seu maior risco. A ideia do seguro é sempre pegar a severidade do problema e não a frequência com que ele pode acontecer. Sempre olhamos, como seguradora, quais os valores de contrato, quais as atividades de responsabilidade do segurado, muitos riscos precisamos até mesmo fazer inspeção. Agora para quem está contratando o seguro, é sempre muito importante olhar as exclusões e franquia aplicada na apólice. Nem todos os seguros de responsabilidade civil profissional tem o mesmo escopo de coberturas.  
  1. Muitos dos seguros ofertados no Brasil foram baseados em legislações estrangeiras, o que faz com que alguns empresários reclamem das abrangências, alegando que muitas coberturas ficam de fora. Como a Argo trabalha a oferta das suas soluções? 

    Tentamos atender todos os clientes que têm interesse em contratar o produto. Após vários anos do produto de responsabilidade civil profissional estar no mercado brasileiro, já conseguimos identificar as necessidades dos clientes e assim ter um produto com maior abrangência local. As soluções que apresentamos para nosso segurado é sempre visando o maior número de coberturas possível, na fácil aplicabilidade do seguro e fácil entendimento de cobertura.
  1. Como vocês enxergam o setor da construção civil em 2021? Teremos uma retomada ou é um período para pisar no freio? 

    Com a continuação da pandemia, acreditamos que o setor ainda não terá um aumento muito diferente do apresentado em 2020. Mesmo com todas as dificuldades, houve sim um crescimento em 2020 no setor, tivemos liberação de crédito imobiliário em abundância e isso faz com que as obras e reformas aumentem, sem contar que com o trabalhador em home office as ruas e as empresas ficam mais vazias fazendo com que reformas e novas obras sejam mais fáceis de serem executadas.  
  1. Muito se fala nas mudanças que a pandemia vem trazendo para os ambientes profissionais e pessoais. O setor de seguros para a construção civil também vem sendo afetado? O que esperar do setor pós-pandemia? 

    Não tem como dizer que o setor não foi afetado, acredito se não todos, quase todos os setores foram e estão sendo afetados. O importante é identificar que mesmo com a pandemia houve sim um crescimento. Acredito que a retomada pós-pandemia não será tão imediata, as pessoas ainda vão ficar com receio de novos investimentos ou até mesmo de grandes empreendimentos, mas sim haverá um crescimento gradativo.